domingo, 18 de maio de 2008

Treino de tiros


Esses treinos são treinos específicos.
Toda vez que saio pra fazer os treinos de tiros eu tenho arrepios, tenho medo mesmo.

Neste sábado último voltei aos treinos de tiros. Desde antes da Volta à Ilha, no início de Abril, eu não fazia.

Fui pra beira-mar Sábado à tarde. Minha planilha indicava que deveria fazer SEIS tiros de 400 metros com um tempo de 1 minuto e 35 segundos a 1 minuto e 45 segundos. O intervalo entre os tiros de 400 metros estava estabelecido em 45 segundos.

O pavor deste treino vem do fato de que uma vez iniciado o treino você está num turbilhão entre elevar os batimentos, fazer subir as toxinas na musculatura e sentir tudo isso se aculmular a cada novo tiro. E não dá pra parar antes do último tiro completado, antes dos últimos intermináveis 400 metros. Corre 400 metros, descansa 45 segundos, corre mais 400, descansa mais 45 segundos e por aí vai. E a cada tiro a sensação é pior....

Pois Sábado, antes de sair pra fazer o treino coloquei na minha cabeça: "sem chances de falhar. Não vou forçar. Vou fazer tranquilo e terminar tranquilo...sem chances de falhar!". Isso porque já falhei algumas vezes em treinos de tiros e sei bem como é a sensação do fracasso. Conheço o outro lado também. Já finalizei bem muitos treinos de tiros e a sensação é de vitória, de conquista.

Fui lá e fiz. Aquecimento de 10 minutos de trote leve. Daí entrei no turbilhão dos tiros. Primeiro tiro - tranquilo, solto, ritmado. Fiz em 1 minuto e 30 segundos...ops! Abaixo do tempo estabelecido. Paciência...saiu assim. Pensei: "mantenha o ritmo de corrida". Foi o que fiz. Cravei quase todos no mesmo tempo. A sequência teve tiros de 1min28seg, 1min26seg, 1min28seg, 1min29seg e 1min28 segundos. Quase todos iguais. Os batimentos chegaram a 180 por minuto no último tiro. Administrei tranquilo. Voltei pra casa numa corrida leve de mais 10 minutos de trote.

Deixe-me explicar a vocês pra que servem esses treinos. Vou usar um texto que tirei da revista O2:

"Este trabalho estimula ritmos superiores aos que normalmente o corredor está habituado a desenvolver em trabalhos contínuos e, com ele podemos, elevar a velocidade média do indivíduo. Isto acontece porque o atleta passa a estimular as fibras musculares de contração rápida que normalmente são menos usadas em trabalhos de endurance.

A maneira como o organismo neutraliza o ácido lático também muda quando se faz esse tipo de treino. Outro fator importante é que, por estarmos momentaneamente em débito de oxigênio, ocorre uma produção maior de acido lático e, assim, podemos melhorar o mecanismo de produção e remoção deste ácido. O resultado disso é o aumento significativo do limiar anaeróbio do corredor."

Bem desta vez eu fui vitorioso. Meu treinador, Paulo Domingos Filho, ainda não deu retorno sobre o que eu fiz, mas certamente vai me puxar as orelhas por ter feito abaixo do tempo. Mas ao mesmo tempo vai gostar do resultado uniforme.

Treino de tiros é meu pavor, confesso....é meu pavor na vida de corredor. Mas sei que são importantes e adoro correr cada vez mais rápido.

Abraços
Faraco

2 comentários:

magalhaes-freitas disse...

Oi, queridinho...
Me lembrasse que desta palavrinha por ora esquecida..."Tiro". Preciso voltar...
Legal esta página...
Estou sempre por aqui...
Fica firme...
Bj
Adri.

Notícias de Desporto disse...

Se quiser ser um tiro durante as Provas de corrida em Portugal para 2014, aqui fica a lista:

http://guppy.pt/blog/provas-de-corrida-2014/

E toca a correr :)